Mulher estava presa desde fevereiro, por tráfico. Quatro filhos ficaram com tia de 17 anos; uma das crianças morreu após agressões.

Publicidade

A Justiça do Distrito Federal determinou na última sexta-feira (31), que a mãe das quatro crianças espancadas pelos tios após pedirem comida, em Planaltina de Goiás, no Entorno, cumpra prisão domiciliar. A mulher, de 26 anos, estava presa desde fevereiro por tráfico de drogas e os filhos haviam ficado com uma irmã dela, de 17 anos, e o namorado da jovem, de 19 anos.

A decisão foi da juíza Lea Martins Sales Ciarlini. O pedido de converter a prisão preventiva em domiciliar foi apresentado pelo Ministério Público na semana passada, depois que uma das crianças, de 6 anos, morreu e as outras três foram encontradas sujas, sem comida e trancadas na casa dos tios, sozinhas.

Nesta segunda-feira (3), a mãe das crianças visitou os dois filhos, de 9 anos e de 1 ano e 8 meses que estão em um abrigo, em Planaltina de Goiás. Segundo a polícia, ela ficou com eles durante 10 minutos.

A menina de três anos, que estava mais ferida, permanece internada no Hospital da Criança de Brasília. A menina de 6 anos foi enterrada no fim de semana em Planaltina, no DF. O pai das crianças permanece preso.

Prisão dos pais

No dia 8 de fevereiro, os pais das quatro crianças foram presos em flagrante. De acordo com o delegado Hudson Maldonado, o casal chegou a ser filmado por policiais da 13ª Delegacia de Polícia, de Sobradinho, no DF.

“Eles foram presos próximo ao ginásio de Sobradinho. Encontramos porções de maconha e de crack”, disse o delegado.

Um dia depois da prisão, o casal passou por audiência de custódia. A defesa alegou que a mulher tinha cinco filhos — um sob responsabilidade do Conselho Tutelar — e que estava amamentando o mais novo, de um ano e 8 meses.

No entanto, como ela e o companheiro não conseguiram comprovar endereço fixo, o pedido de prisão domiciliar foi negado pela 2ª Vara de Entorpecentes do Distrito Federal.

“Ressalto que a custodiada Daniela possui filhos menores de 12 anos e o delito não foi praticado com violência nem grave ameaça, sendo o caso de análise de sua substituição da prisão por domiciliar. No entanto, a substituição não se mostra possível nesta oportunidade diante da ausência de endereço certo para cumprimento da prisão domiciliar”, determinou a justiça.

Queria comer arroz, feijão e carne

As quatro crianças foram morar com a tia, de 17 anos, e o namorado dela, de 19 anos em um barraco do Setor Aeroporto, em Planaltina de Goiás, no Entorno do DF. Após denúncias de vizinhos, na última quarta-feira (29), policiais encontraram os irmãos de 9 anos, 3 anos e 1 ano e 8 meses com diversos ferimentos. A menina de seis anos estava morta.

Exames feitos na criança que não resistiu apontam que ela tinha traumatismo craniano e várias lesões pelo corpo. Segundo testemunhas, no dia anterior, os tios deixaram as crianças sozinhas em casa.

Os irmãos teriam pedido comida para uma vizinha. Quando os tios chegaram, a vizinha disse que chamou a atenção do casal.

A partir daí, as agressões teriam começado. Os vizinhos contaram que ouviram o choro dos irmãos durante a madrugada

De manhã, o Conselho Tutelar foi chamado, mas só conseguiu ter acesso às crianças após a chegada da Polícia Militar. Os dois meninos foram para um abrigo e a menina de 3 anos para o Hospital Regional de Planaltina.

No hospital de Planaltina, enfermeiros que atenderam a menina contaram que ela só dizia que “queria comer arroz, feijão e carne”.

Os servidores fizeram uma campanha de doações de roupas e brinquedos que serão entregues ao abrigo onde os dois outros irmãos estão. A menina foi transferida na sexta-feira (31) para o Hospital da Criança de Brasília.

Também na sexta, a casa onde as crianças moravam com a tia e o namorado dela foi incendiada e ficou completamente destruída pelas chamas. A tia foi apreendida e o namorado está preso.

Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

Fonte: G1

Comentar

Comentar