Na quarta-feira, 17 de abril, o Ministério de Justiça e Polícia (JusPol) deu o primeiro passo tecnológico junto a delegacia de polícia em Geyersvlijt que será usada como uma base piloto de testes, onde as informações sobre crimes serão armazenadas centralmente em um banco de dados. O objetivo é fortalecer e lutar contra a tendência crescente de atos criminosos no país.

O lançamento ocorreu em um evento organizado pela JusPol, onde foi apresentado o sistema e passadas informações gerenciais sobre esse projeto que se chama CariSecure. No evento o ministro Stuart Getrouw da JusPol indicou que a implantação do projeto foi iniciado em 2018 e que só agora, quase um ano depois, atingiu o seu ponto de partida. O projeto CariSecure visa ajudar os países que estão na região do Caribe. Por esse motivo o Suriname foi incluído e possibilitado o desenvolvimento de um mecanismo padrão para monitorar, avaliar e relatar dados confiáveis ​​sobre crimes. Usando este sistema de registro digital, a polícia pode atualizar de forma rápida e melhorar a coleta de dados do Corpo de Polícia do Suriname (KPS).

O ministro crê que os dados estando de fácil acesso, as informações ajudarão na prevenção dos crimes entre a juventude que tem aumentado muito no país. Este é também um dos objetivos nacionais de desenvolvimento, conforme estabelecido no Plano de Desenvolvimento 2017-2021, diz Getrouw.

Antes do lançamento, o líder da equipe do projeto, Paolo Mistro fez uma apresentação especial do sistema tecnológico ao ministro na segunda-feira, 15 de abril.

Atualmente, os documentos processuais das várias delegacias são digitados e salvos em computadores, mas não há um link central para conectar as informações. Tudo isso será possível com este sistema de informações gerenciais.

Alexis Armstrong, representante Surinamês do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), ressaltou os benefícios do Sistema de Informação e de Gestão para Registros da Polícia (PRMIS). Ele disse que o projeto ajudará também combater crimes internacionais.

A embaixadora americana Karen Williams, disse que a polícia é tecnicamente apoiada nesse processo, através da doação de equipamentos necessários. Para a continuidade deste projeto, é necessário que os funcionários também passem por cursos de treinamento.

Rishi Akkal, inspetor de polícia da 1ª classe, membro da Força-Tarefa, fez uma demonstração durante o lançamento e abordou algumas questões. O inspetor concluiu sua demonstração dizendo que a política sustentável deve se basear em dados confiáveis.

Foto: NII

Comentar

Comentar