Os irmãos Abdullakhan Raoul e Idoe Nasser que estão envolvidos em um caso de terrorismo, foram declarados pelo Ministério da Justiça e Polícia (JusPol) como pessoas indesejáveis ​​no Suriname. Sua conexão com qualquer organização terrorista ainda deve ser vista como uma ameaça potencial à segurança nacional. A Juspol deseja informar à sociedade que, inteiramente de acordo com sua autoridade, conforme estabelecido na Lei de Estrangeiros e outros regulamentos legais, os dois irmãos estão sendo declarados como pessoas indesejáveis ​​no Suriname.

Em 14 de junho de 2019, na sequência do julgamento o Juiz do Tribunal deixou claro em processos criminais contra esses irmãos, que o Ministério decidiu revogar a licença de estabelecimento no nome de Idoe Nasser. Abdullakhan Raoul já estava ilegal no Suriname desde 2008. Esta decisão foi tomada uma vez que as duas pessoas mencionadas não cumpriram as condições descritas nos Artigos 24, 25, 26, 32 e 33 da Lei de Estrangeiros e o seu compromisso para com qualquer organização terrorista deve ainda ser visto como um perigo potencial para segurança nacional.

Por uma questão de exaustividade, o Ministério deseja salientar que os estrangeiros que tenham sido elegíveis para uma autorização de residência ou de estabelecimento devem cumprir as condições indicadas na licença. O Ministério da Justiça e Polícia descobriu, após uma pesquisa minuciosa, que nos últimos anos os dois homens também foram encontrados culpados de atividades criminosas e envolvidos em organizações criminosas estabelecidas internacionalmente trazendo efeitos e influências na comunidade e segurança nacional.

O governo continuará a adotar uma política de tolerância zero em relação a situações como essa e na luta contra todas as formas de crime organizado. As recentes deportações de estrangeiros com um passado criminoso ou envolvidos em atividades criminosas devem, portanto, ser vistas contra esse pano de fundo. O Ministério da Justiça e todos os outros serviços da cadeia de segurança nacional farão tudo o que puderem para garantir que qualquer crime seja tratado adequadamente com o uso de todos os seus recursos. Isso não cancela a necessidade de uma política preventiva e de uma abordagem integrada. A segurança gerenciável continuará a ser a principal prioridade do governo. A sociedade e a comunidade empresarial também terão que assumir responsabilidade conjunta e serão urgentemente convocadas a fazer o necessário para colaborar, bem como informar o ministério e suas forças de trabalho quando necessário.

Foto: Arquivo