Foto: Reprodução

O juiz-forano José Maria de Sá, conhecido como Zé Maria, de 59 anos, é funcionário público municipal e não esconde a sua paixão pelo motociclismo. Com quatro países da América do Sul e 18 estados brasileiros visitados de moto, a partir deste domingo ele inicia uma nova aventura: viajar pelo extremo norte do Brasil e visitar alguns países que fazem fronteira, junto de seu colega de motociclismo Elvis Brega, morador de Gurupi/Tocantins, do Motoclube Cabanagem. Os dois se conheceram em um encontro de motos em Brasília, firmaram amizade e começaram a viajar pelo Sudeste juntos. Assim, surgiu a ideia de criar o Projeto Zelvis (Zé com Elvis) para visitar a América do Sul sobre duas rodas.

O roteiro dos dois motociclistas vai passar por nove estados brasileiros, Minas Gerais, Goiás, Tocantins, Maranhão, Pará, Amapá, Amazonas, Acre e Roraima, além dos países Guiana e Guiana Francesa e, se possível, eles irão também ao Peru e à Venezuela. O motociclista juiz-forano, que faz parte do Motoclube Os Aventureiros, vai sair neste domingo (13) de Juiz de Fora para se encontrar com Elvis e começar a jornada, que deve se estender até 23 de dezembro. Eles têm planos de realizar a rota da Rodovia 319, no Amazonas, mas tudo depende das condições do local, quando estiverem por lá.

Zé Maria pilota há mais de 40 anos. Desde os 18 anos, ele nutre uma paixão por moto e por tudo que a envolve. “Motociclismo é companheirismo. Quando a gente viaja, vive encontrando com os amigos, os irmãos, socorrendo o pessoal nas estradas. Quando o pessoal vem de fora, eu os trato como se fossem parte da minha família. Recebo-os em minha casa e depois eles voltam para a estrada, para seguirem viagem. Acaba se tornado uma família”, diz Zé Maria, que possui mais de 12 anos de motoclube.

Tendo passado por Paraguai, Uruguai, Argentina e Chile, o juiz-forano acumula experiência na direção, por isso está tranquilo para realizar o Projeto Zelvis pela América do Sul. Com essa viagem, ele vai ter visitado todos os estados brasileiros com sua moto. Zé Maria conta que existe uma amizade entre os motociclistas, que estão dispostos a se ajudarem mediante qualquer necessidade. Quando estiverem na Guiana e Suriname, uma motociclista local irá os receber, evidenciando que até no exterior o sentimento de união e paixão pela direção estão presentes. “O motociclista nunca está sozinho”, conta.

Viajar de moto, comenta Zé Maria, proporciona uma experiência única em diferentes partes do país e do mundo.”No carro, a gente vê a paisagem. Na moto, a gente faz parte da paisagem.” Ele ressalta, ainda, que a prática não é tão perigosa, quanto as pessoas imaginam, desde que haja cautela ao dirigir. Roupas de proteção específicas para viagens de moto e equipamentos também ajudam a proporcionar uma viagem mais segura, segundo ele.

Para os próximos destinos, o motociclista gostaria de voltar ao Nordeste, destacando a hospitalidade dos moradores. No exterior, o sonho é realizar a Rota 66, nos Estados Unidos, que passa por oito estados, começando em Chicago, Illinois e terminando em Santa Monica, na Califórnia.

Zé Maria finaliza dizendo que conseguiu realizar o sonho de muitos motociclistas, que é pegar neve. Durante uma viagem ao Chile, comenta, não apenas enfrentou neve, como, durante a volta, houve a erupção de um vulcão na Argentina, obrigando-o a ficar dois dias na estrada, por causa da pouca visibilidade causada pela fuligem. “História para contar, para levar para o resto da vida não faltam na bagagem”, orgulha-se.

Comentar

Comentar