— Foto: Luiz Paulo

Quando os dois governos chegaram ao poder em agosto de 2020, houve uma esperança renovada de que a disputa de décadas entre a Guiana e o Suriname sobre licenças para pescadores costeiros da Guiana teria sido resolvida de forma amigável, pois os dois lados prometeram adotar uma nova abordagem para uma resolução.

Ao tentar estabelecer as fronteiras marítimas entre a Guiana e seu vizinho oriental, as autoridades holandesas da era colonial basicamente entregaram o controle da fronteira do rio Corentyne ao Suriname, o que significa que os pescadores da Guiana teriam que lidar com as autoridades do Suriname se quisessem pescar nas chamadas águas do Suriname.

A questão se agravou por décadas com pescadores da Guiana reclamando que uma grande brigada de empresários surinameses compra licenças de seu governo por cerca de US$ 100 por ano e aluga para eles por até US$ 5 mil por embarcação, além de outras taxas obrigatórias. Além disso, também tem um pouco a ver com o fato de que os intermediários fazem uma matança financeira sem nunca comprar uma rede de pesca ou estocar um navio para ir ao mar simplesmente possuindo uma licença.

Bem, dois anos completos já se passaram e as administrações do presidente Irfaan Ali e Chan Santokhi do Suriname não estão mais perto de resolver a questão, ambos recorrendo a linguagem pouco diplomática e ameaças de uma guerra comercial nos últimos dias.

O vice-presidente da Guiana, Bharrat Jagdeo, culpou abertamente a corrupção oficial no Suriname pelo atraso na resolução do problema, observando que o momento está se aproximando rapidamente para a Guiana tomar medidas mais duras. Ele até ameaçou levar o assunto à CARICOM.

“Temos que começar a jogar duro agoraSabemos que eles controlam a pesca em suas águas e têm o direito de licenciar quem quiserem. Mas também temos o direito, neste país, de negociar de forma recíproca com os surinameses que estão aqui fazendo negócios. Porque há muito tempo estamos apenas andando na ponta dos pés em torno da questão. Estamos trabalhando no nível diplomático, mas o compromisso do governo do Suriname parece não valer o papel em que está escrito”disse Jagdeo, frustrado, na semana passada.

Jagdeo argumenta que os surinameses prometeram licenciar até 150 barcos e que tal acordo está consagrado em uma declaração conjunta que os dois lados emitiram após se reunirem sobre o assunto, um número que o Suriname refuta. O acordo deveria ter sido fechado no início de janeiro do ano passado, mas ele disse que o Suriname renegou o acordo.

Por sua vez, o Suriname disse que não fez nenhum acordo com a Guiana, pois a pesca excessiva e outros problemas já estão afetando o setor. Portanto, seria imprudente distribuir um número tão grande de licenças neste momento. O ministro das Pescas, Parmanand Swedien, argumentou que as leis locais proíbem as autoridades de emitir licenças para os pescadores da Guiana e, portanto, isso seria ilegal.

Outro ministro do Suriname, Krishna Mathoer, classificou as ameaças de retaliação da Guiana como “um ato hostil”, acrescentando que tal era “ irresponsável, não diplomático e não alinhado com o espírito de cooperação dos países vizinhos”. O embaixador da Guiana, Keith George, já foi convocado ao Ministério das Relações Exteriores à medida que a briga aumenta.

Comentar

Comentar