Foto: (Getty Images/LUIS ACOSTA/AFP via Getty Images)

O Governo da Guiana e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) assinaram um acordo de financiamento de até US$ 83,3 milhões com a Agência Norueguesa de Cooperação para o Desenvolvimento para melhorar a diversificação da matriz energética do país.

O objetivo será alcançado ao promover o uso de fontes de energia renováveis e resilientes ao clima na geração de eletricidade, ajudando a evitar o desmatamento e enfrentar as mudanças climáticas.

Publicidade

Os fundos não reembolsáveis terão investimentos em oito projetos solares fotovoltaicos em escala de utilidade totalizando 33MWp (pico de Megawatt) com sistemas de armazenamento de energia associados de 34MWh distribuídos em três áreas do país sob o Programa Solar Fotovoltaico de Escala de Utilidade da Guiana (GUYSOL). Especificamente, investirá em 10MWp em Berbice, projeto de 8MWp em Essequibo e planta de 15MWp conectada ao sistema Linden.

O Primeiro Ministro, Brigadeiro (Ret’d) Mark Phillips em suas observações disse que o projeto beneficiará cerca de 265.000 clientes no Sistema Interconectado Demerara-Berbice, Sistema Elétrico Linden e Sistema Essequibo.

Este programa transformador, disse o primeiro-ministro, apoiará a digitalização dos sistemas elétricos Essequibo e Linden, movendo-os de sistemas manuais para monitoramento e controle automatizados em tempo real, melhorando a eficiência, confiabilidade e estabilidade.

A Guiana Power and Light Inc. (GPL) e a Linden Electricity Company Inc. (LECI) também se beneficiarão do uso da tecnologia solar fotovoltaica que substituirá quantidades significativas de combustíveis fósseis e reduzirá os custos de geração. Tem também uma componente de formação que envolve as mulheres.

“Vou considerar uma transição centrada nas pessoas para um maior uso de energia renovável e, claro, está de acordo com a agenda da Estratégia de Desenvolvimento de Baixo Carbono 2030”, disse o primeiro-ministro.

Comentar

Comentar