Não há casos confirmados no país.

Para tentar evitar a chegada do Covid-19, o governo do Suriname decidiu reduzir o número de voos internacionais no país, sobretudo, as rotas onde já existem casos confirmados do vírus.

Além disso, o governo enviou equipes militares para o aeroporto e, ainda, para as fronteiras e portos marítimos para fiscalização e medidas cabíveis. Desi Bouterse não descartou a possibilidade de fechar escolas e chegou cogitar adiar as eleições presidenciais do próximo dia 25 de maio.

Publicidade

Uma coletiva de imprensa nesta sexta-feira, dia 13, com o vice-presidente Ashwin Adhin, pode anunciar outras ações. No início desta semana, já foi decidido que os passageiros que chegam – residentes e não residentes – que passaram os últimos 14 dias nos países ou áreas de risco Covid-19 serão isolados se apresentarem sintomas da doença.

Suriname não há casos confirmados

O governo do Suriname desmentiu as informações de que cinco casos do Covid-19 estariam confirmados no país. Na América Latina e Caribe foram confirmados casos na Guiana Francesa, Guiana Inglesa, Brasil e Jamaica, entre outros. Eventos públicos como concertos e competições esportivas estão sendo cancelados ou remarcados em massa. Uma das medidas mais drásticas foi tomada pelo presidente Donald Trump, dos Estados Unidos. Os vôos da Europa não poderão entrar em seu país pelos próximos trinta dias.

Com informações do DWT.

Foto: Arquivo LPM News

Deixe seu comentário abaixo.

Comentar

Comentar