Presidente eleito Evo Morales renunciou no último domingo.

PUBLICIDADE

O governo do Suriname afirmou que não intervirá e que repudia, veementemente, a escalada de tensão e violência na Bolívia, que resultou na renúncia do presidente eleito Evo Morales, no último domingo, dia 10 de novembro. O chefe de estado, Desiré Bouterse, ainda pede a pacificação através do diálogo.

A Constituição da República do Suriname estabelece, com base nos princípios de interferência nos assuntos internos dos Estados soberanos, que a comunidade internacional se abstenha de qualquer ingerência de ações políticas, nesse caso da Bolívia, e, por fim, o governo deseja que o país consiga superar a crise.

Foto: Arquivo LPM News

Deixe seu comentário abaixo.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui