Um tribunal egípcio condenou um menino de quatro anos à prisão perpétua por assassinato e outras infrações alegadamente cometidas quando ele tinha um ano e meio de idade.

O caso de Ahmed Mansour Karmi causou comoção: um advogado chegou a dizer que ‘este é um exemplo de como não há justiça no Egito’.

Publicidade

Ele foi condenado pelas mesmas infrações junto com outros 115 acusados.

Faisal al-Sayd, o advogado de defesa, disse que o nome da criança havia sido adicionado à lista por engano e que o tribunal falhou por não encaminhar a certidão de nascimento, para provar que o garoto tinha 1 ano de idade na época dos crimes.

Al-Sayd disse: “a certidão de nascimento da criança foi apresentada depois que o nome dela foi adicionado à lista de acusados, mas o caso já tinha sido encaminhado ao tribunal militar e a criança foi condenada à revelia em uma audiência judicial que se seguiu”.

“Isso prova que o juiz nem leu o caso”.

Desde 2013, o Egito tem sido governado por uma ditadura militar. O atual Presidente do país é Abdel Fatah al-Sisi.

Dizem que o número de oposicionistas nas cadeias do Egito já supera 40.000.

Os réus foram todos acusados de quatro crimes de homicídio, tentativa de homicídio, vandalismo e desacato a autoridades.

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: Yahoo

Comentar

Comentar