Vacina faz parte do calendário de vacinação e deveria estar disponível nas unidades de saúde.

PUBLICIDADE

Moradores das cidades de São Paulo e Guarulhos, na Grande São Paulo, reclamam da falta de vacina contra meningite nos postos de saúde. Ela faz parte do calendário de vacinação e deveria estar disponível em todas as unidades de saúde.

O médico Clóvis Constantino, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria, alerta que o inverno é o momento em que mais circula a bactéria causadora da meningite.

A vacina contra a meningite é fornecida aos estados exclusivamente por uma fundação que fica em Belo Horizonte, em Minas Gerais, chamada Ezequiel Dias. Em nota, o laboratório disse que teve problemas para produzir e distribuir a vacina. Não explicou exatamente o que aconteceu, mas reconheceu o atraso e disse que deve normalizar em agosto.

A Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo explica que só recebeu 16% do volume esperado para todo o mês de julho e admitiu que isso comprometeu a imunização. A Coordenadoria de Vigilância em Saúde está remanejando as doses de vacina nas unidades com menor demanda.

Já a Prefeitura de Guarulhos afirmou que todas as unidades de saúde estão com os estoques zerados e que também recebeu menos de 20% do necessário para todo o mês de julho.

O Ministério da Saúde, responsável pela distribuição da vacinam, confirmou que as doses estão sendo encaminhadas aos estados de forma reduzida por causa de problemas com o fabricante. Mas também informou que a previsão é que tudo seja normalizado em agosto.

A meningite é uma inflamação nas meninges, membranas que envolvem parte do cérebro. A doença pode ser causa por vírus, fungos ou bactérias – sendo a bacteriana a mais grave. Ela pode causar paralisia, perda de audição e epilepsia, entre outros problemas.

Fonte: G1