A pequena casa de 2 cômodos, erguida com tijolos e sem reboco, localizada na estreita passagem de terra batida Jerusalém, no bairro São Pedro, em Marituba, foi o local da morte de Olivaldo Barbosa Cavalcante, 30 anos, com 20 tiros de pistola calibre ponto 40.

O crime aconteceu no final da noite de anteontem, na presença de 2 crianças de idades não divulgadas.

Publicidade

Segundo policiais civis da Divisão de Homicídios (DH), Olivaldo estava dentro do imóvel, quando 2 desconhecidos arrombaram a porta da frente, invadiram e o executaram.

“Testemunhas, que não quiseram se identificar, disseram que os assassinos trajavam roupas pretas e estavam encapuzados”, disse Jivago Ferreira, delegado da DH.

Olivaldo não estava sozinho dentro da pequena residência. Duas crianças também estavam na casa, mas foram poupadas pelos assassinos. A esposa da vítima, que não teve a identidade revelada, não presenciou o crime, já que poucos minutos antes teria saído para comprar churrasco. Seria esse o jantar da família.

CONDICIONAL

 Ainda de acordo com o delegado Jivago Ferreira, Olivaldo nem sempre estava no imóvel onde foi morto. “Ele havia sido preso por tráfico de drogas, mas estava em liberdade condicional. E não podemos afirmar que essa situação contribuiu para o crime”, ressaltou o delegado Jivago.

Carro que deu fuga aos matadores estava longe da casa da vítima

Logo após o assassinato de Olivaldo Barbosa Cavalcante, os homens de preto e encapuzados saíram do imóvel a pé em direção a um carro também preto, de modelo e placa não identificados.

O veículo estava estacionado longe da casa da vítima, já que a passagem é estreita e sem condições de abrigar automóveis. Eles entraram no carro e fugiram.

Entre as dúvidas sobre as circunstâncias e motivações do crime, há uma certeza: os assassinos não economizaram nas balas para matar Olivaldo. Segundo peritos criminais, a vítima levou 20 tiros de pistola calibre ponto 40, em várias partes do corpo.

“A parte mais atingida foi a cabeça, inclusive, o rosto da vítima”, informou Robson Nunes, perito criminal.

Fonte: Dol

Comentar

Comentar