Chan Santokhi — Foto: Luiz Paulo

Em uma coletiva de imprensa com a presença de todos os ministérios, o presidente do Suriname Chan Santokhi fez um balanço do trabalho ao longo de dez meses de gestão. O chefe de estado destacou os avanços, mas, reiterou em linhas gerais que “muito ainda precisa ser feito”.

Em seu discurso, enviado pelo departamento de comunicação do governo com 17 páginas, ele enalteceu avanços e citou, nominalmente, a chegada da energia elétrica de Marowijne para Nickerie, a construção de escolas em Pará e Brokopondo, além de visitas em regiões afetadas, como Saramacca.

Publicidade

“Juntos, trouxemos eletricidade de Marowijne para Nickerie. Juntos, visitamos áreas afetadas de Saramacca. Juntos, construímos escolas do Pará a Brokopondo. Juntos. Somente juntos podemos alcançar e vencer a crise financeira e a crise econômica causada pela pandemia Covid-19”, disse.

— Foto: Luiz Paulo

Outro ponto destacado por Santokhi foi à luta do governo para minimizar a pobreza no Suriname. Para tanto, segundo ele, o governo precisou encontrar uma solução adequada para os problemas financeiros, em especial, para controlar a dívida externa.

“Ficou claro para nós que tínhamos que lutar contra a pobreza e começar a encontrar uma solução adequada para os problemas financeiros e econômicos, em particular o problema da dívida. E, finalmente, também tínhamos que mitigar os efeitos da pandemia da Covid-19”, acrescentou.

Antes de achar a “saída” para este problema, Santokhi explicou que três fases foram identificadas, juntamente com sua base. “Tomamos decisões com base nas mais de 100 consultas, com uma diversidade de grupos da sociedade civil. Então removemos ‘detritos’, estabilizamos e crescemos”.

Comentar

Comentar