Handara do Brasil — Foto: Luiz Paulo

A pandemia da Covid-19 mexeu com todos os setores da economia, não somente no Suriname, mas no mundo inteiro. Para algumas pessoas, o momento de dificuldade forçou adequações e redescobertas, mas, para outros, o cenário catastrófico resultou em perdas e fechamento de negócios. Em produção especial, o LPM News ouviu empresários que estão vivenciando a problemática de formas diferentes.

Dono de uma franquia brasileira, Milet Frangie viu na pandemia uma oportunidade que, na volta à normalidade, pode significar um incremento financeiro. “Mudamos para uma forma diferente de fazer negócios”. Isso porque sua loja passou a vender roupas de banho ao invés do vestuário casual. “Mudamos toda a loja. Nós nos livramos de todas as roupas de sair. Agora vendemos biquínis e shorts, enfim, virou uma loja de praia”, disse.

Publicidade
Milet Frangie — Foto: LPM News

“Isso nos permitiu continuar com a venda e não tivemos que demitir nenhum funcionário”. Mas o cenário de “oportunidade” não chegou para todos no Suriname. Dorothy Martopawiro, também empresária, viu seu empreendimento perder clientes a cada dia, sobretudo, após a série de bloqueios impostos pelo governo e a proibição dos voos para o Brasil, para onde ela viajava com frequência para aquisição de novos produtos.

Dorothy, então, se viu obrigada a demitir parte de sua equipe e passou a investir em outros produtos, com valores mais altos, que resultaram no aumento no preço repassado ao cliente e, claro, na redução do volume de venda. “Agora sou forçada a comprar produtos de clientes locais. Mas por causa do preço cada vez maior, também tenho que continuar ajustando o preço. Isso é apenas para sobreviver”, reiterou ao LPM News.

Sem tanta expectativa na melhora, a empresária conta agora com a ajuda dos filhos para manter o negócio de pé e operando. “Procuro estimular o maior número possível de empresários mesmo que seja através de um like no Facebook”, completou. A falta de esperança de Dorothy vem acompanhada dos boletins diários emitidos pelo Ministério da Saúde do Suriname. Somente em maio foram 16 mortes.

Dorathy Martopawiro — Foto: LPM News

O percentual de casos confirmados, nas últimas semanas, ultrapassou 40% por dois dias. Nos demais, ficou sempre próximo dos 30%. Nas próximas horas, uma nova coletiva de imprensa deve anunciar a manutenção ou alteração das medidas de controle e combate à Covid-19. O que mais tem causado preocupação na população é a permanência do bloqueio total, que reduz, consideravelmente, o fluxo de pessoas nas ruas e as vendas.

Comentar

Comentar