Dólar fecha em queda, de olho em juros dos EUA e votação da Previdência na Câmara

Dólar fecha em queda, de olho em juros dos EUA e votação da Previdência na Câmara

A moeda norte-americana caiu 0,99%, a R$ 3,7563, menor valor desde fevereiro.

O dólar fechou em queda nesta quarta-feira (10), após declarações do chefe do Federal Reserve (banco central dos Estados Unidos), Jerome Powell, e com expectativas de que a reforma da Previdência seja votada no plenário da Câmara dos Deputados.

A moeda norte-americana caiu 0,99%, a R$ 3,7563, menor valor desde fevereiro. Na mínima do dia, chegou a cair 1,12%m a R$ 3,7512. Veja mais cotações.

Cenário externo

O dólar acelerou o movimento depois da divulgação de declarações de Jerome Powell, em seu depoimento semestral ao Congresso dos EUA. Powell reiterou que o Fed agirá “conforme apropriado” para sustentar o crescimento econômico dos EUA, acrescentando que preocupações com comércio e crescimento global continuam a pressionar a economia norte-americana.

A declaração de Powell, que impulsionou moedas emergentes, inclusive o real, eleva as expectativas para um corte de juros ainda neste mês, destaca a Reuters. Agentes financeiros também repercutem a divulgação da ata da última reunião de política monetária do Fomc (Comitê Federal de Mercado Aberto, equivalente ao Comitê de Política Monetária do Brasil, o Copom).

Cenário local

Participantes do mercado também acompanham atentamente a Câmara dos Deputados, que deve votar nesta quarta-feira a reforma da Previdência. Na madrugada, a Casa concluiu a fase de discussão em plenário da reforma previdenciária, e a votação da matéria foi agendada para esta manhã, após negociações de última hora na véspera que acabaram atrasando o cronograma previsto inicialmente.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pretendia votar o texto principal da reforma na noite de terça-feira ou madrugada de quarta, reservando a quarta-feira para a análise de destaques, mas negociações atrasaram o cronograma.

A intenção do presidente da Casa é de encerrar os dois turnos de votação nesta semana, antes do início do recesso parlamentar, em 18 de julho.

“Do que a gente avalia, esse nível de dólar, de 3,76 reais, já está precificando a aprovação (da Previdência). Não existe outro sinal”, disse à Reuters o superintendente da Correparti Corretora, Ricardo Gomes da Silva.

Fonte: G1

Comentar

Comentar