spot_img
spot_img

Cristina Kirchner é indiciada com base em denúncia de Nisman

Atualizado há

Promotor Gerardo Pollicita, que analisou a denúncia depois da morte do procurador Nisman, considerou que acusações devem ser investigadas.

A presidente Cristina Kirchner foi indiciada nesta sexta-feira com base na denúncia do promotor Alberto Nisman de que ela e vários apoiadores teriam acobertado a participação de iranianos no atentado contra um centro judaico em Buenos Aires. Nisman apresentou a denúncia quatro dias antes de ser encontrado morto em seu apartamento.

O promotor federal Gerardo Pollicita analisou as quase 300 páginas do trabalho de investigação realizado por Nisman e considerou que se deve “iniciar a investigação pertinente com o objetivo de verificar, com base nos elementos de convicção que sejam incorporados (…), a existência do fato e, consequentemente, se o mesmo pode ser penalmente imputado aos responsáveis”.

A decisão do promotor de ir adiante com o caso é significativa porque abre espaço para uma análise detalhada da investigação em que o promotor Alberto Nisman estava trabalhando antes de ser encontrado morto no dia 18 de janeiro. Pollicita levará o resultado da investigação ao juiz federal Daniel Rafecas, a quem caberá aceitar ou não a denúncia.

Outros citados na denúncia de Nisman também foram indiciados por Pollicita: o chanceler Héctor Timerman, o dirigente kirchnerista Luis D’Elia, o deputado Andrés Larroque, Jorge Alejandro “Yussuf” Khalil, Héctor Luis Yrimia, ex-promotor responsável pelo caso da Amia, Fernando Esteche e uma pessoa identificada como Allan, que seria o agente de inteligência Allan Héctor Ramón Bogado, informou o jornal Clarín.

O atentado contra a sede da Associação Mutual Israelense Amia aconteceu em julho de 1994 e deixou 85 mortos. Nisman assumiu as investigações sobre o caso em 2004. A denúncia apresentada em 14 de janeiro tem como base várias escutas de conversas sobre a relação do governo com o Irã.

‘Manobra’ – Antes mesmo de a decisão do promotor ser divulgada, o secretário-geral da presidência, Aníbal Fernández, já tinha advertido Pollicita. Na manhã desta sexta-feira, o secretário afirmou que indiciar a presidente seria “uma clara manobra de desestabilização”.

Quem é citado na denúncia sobre o atentado contra a Amia

Promotor argentino acusa presidente Cristina Kirchner e vários apoiadores de negociar com o Irã para encobrir envolvidos em ataque contra centro judaico em 1994

Segundo a denúncia do procurador Nisman, a presidente Cristina foi quem avalizou o “plano criminoso de impunidade”, que em “todos os momentos esteve sob seu controle”, seja dando “ordens diretas a seus cúmplices ou conduzindo o discurso público necessário para camuflar a o delito”. Ainda de acordo com a denúncia da promotoria, Cristina considerava Néstor Kirchner como o “principal obstáculo” para o plano de acobertamento dos iranianos e só pôde colocar a “confabulação criminal” em prática após a morte de seu marido e antecessor, em 2010.

A presidente argentina também ordenou a suspensão dos alertas vermelhos da Interpol contra os iranianos acusados de envolvimento no atentado; autorizou acordos secretos com os iranianos e deu sinal verde para a produção de provas falsas para redirecionar a responsabilidade pelo ataque.

Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: Veja

Comentar

Comentar

spot_img
spot_img
spot_img

Mais do LPM

spot_img
Custom App
Phone
Messenger
Email
WhatsApp
Messenger
WhatsApp
Phone
Email
Custom App