Após o procedimento de identificação na sexta-feira (5) foi confirmado que o corpo encontrado é da brasileira que estava desaparecida no Suriname.

A reportagem do jornal LPM NEWS esteve na residência onde a brasileira Elisângela Ribeiro Domingues (Foto) mais conhecida como “Renata” estava morando desde que chegou no Suriname, para colher informações.

Publicidade
Sra. Roseli Garcia ”Rose” (Foto: Luiz Paulo)

A amiga de Elisângela, Sra. Roseli Garcia, conhecida como “Rose” com quem a brasileira morava em Paramaribo, conversou com exclusividade com a nossa equipe de reportagem e contou com detalhes o que aconteceu desde o desaparecimento de Elisângela até a confirmação da morte da brasileira esta semana. Apesar de muito abalada com a morte da amiga e nervosa pelo fato de ter sido chamada pela polícia para fazer o reconhecimento do corpo, fomos recebidos pela Sra. Roseli em sua residência localizada na Mangolaan, em Paramaribo. “Rose”, como é conhecida pelos amigos no Suriname, contou que Elisângela foi reconhecida por meio de uma única tatuagem que a brasileira tinha na mão direita onde estava escrito o nome “Janete” e que o reconhecimento foi feito através de fotografia devido o avançado estado de decomposição do corpo. 

Conseguimos apurar em nossa conversa com a Sra. Roseli que o policial que conduziu o procedimento de identificação disse para ela que o corpo de Elisângela apresentava sinais de ferimento a faca no tórax e que o corpo da brasileira quando foi encontrado estava apenas com uma blusa e sem o short que ela usava quando saiu de casa, o que esta levando a polícia a procurar por um brasileiro suspeito de cometer o crime. Rose informou para nossa reportagem que ao perguntar para o policial sobre o dia em que Elisângela foi morta, recebeu como resposta que a brasileira foi morta no mesmo dia em que desapareceu (22/12) sendo encontrada somente 11 dias depois (2/1) pelo proprietário da casa onde a brasileira foi assassinada depois que o homem desconfiou do forte odor que vinha da casa localizada na Ahinsaweg, uma rua lateral da Nieuwe Charlesburgweg, em Paramaribo.

No último dia em que foi vista com vida, Elisângela que costumava andar sempre com o passaporte, esqueceu o documento na casa de Roseli, levando com ela apenas uma bolsa pequena e o celular. O celular foi encontrado e está em poder da polícia, mas a bolsa não foi encontrada no local do crime, levando a polícia a supor que o assassino tenha levado a bolsa pensando que o documento e o celular estivessem ali.

A família de Elisângela no Brasil e os amigos de “Renata” no Suriname estão pedindo ajuda financeira para fazer o enterro em Paramaribo e quem puder e quiser ajudar pode entrar em contato diretamente com a Sra. Roseli através do telefone (597) 748-0782.

Saiba mais:

Em nossa edição do dia 28 de dezembro, a pedido da família, publicamos a notícia do desaparecimento da brasileira Elisângela Ribeiro Domingues (Foto), de 33 anos de idade e na terça-feira, 2 de janeiro, a polícia encontrou o corpo de Elisângela que depois de passar pelos procedimentos legais realizados pela polícia do Suriname, foi identificado na sexta-feira, 5 de janeiro.

O jornal LPM NEWS expressa profundo pesar pela morte da brasileira Elisângela Ribeiro Domingues e pede a Deus que console os corações dos amigos e familiares que estão no Brasil e no Suriname.

Deixe seu comentário abaixo.

Comentar

Comentar