Fotografia de uma onça-pintada capturada por uma das câmeras do projeto (Foto: Wildlife Conservation Society)

Cientistas da WCS que trabalham na vasta Bacia Amazônia contribuíram com mais de 57.000 imagens de armadilhas fotográficas para um novo estudo de uma equipe internacional de 120 instituições de pesquisa publicado pelo periódico Ecology.

O estudo compreende mais de 120.000 imagens capturadas em oito países, representando o maior banco de imagens da impressionante variedade da fauna amazônica até o presente. As imagens mostram 289 espécies e foram produzidas entre 2001 e 2020 em 143 locais.

Publicidade

As imagens da WCS geradas na Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador e Peru revelam filhotes de onças brincando, um tamanduá gigante descansando em um lamaçal e esquivos cachorros-do-mato, bem como antas, queixadas, gaviões-reais, tucanos, jaguar, urso andino, pumas e muitas outras espécies. O jaguar e o urso andino são espécies prioritárias para a WCS.

O objetivo do estudo é criar um banco de dados com imagens da fauna amazônica e, ao mesmo tempo, documentar a perda e fragmentação de habitats e as mudanças climáticas. A Bacia Amazônica abrange aproximadamente 8,5 milhões de quilômetros quadrados (3,2 milhões de milhas quadradas) no Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela.

Nas palavras de Robert Wallace, Diretor do Greater Madidi-Tambopata Landscape Program da WCS e coautor do estudo: “Os cientistas da WCS estão orgulhosos de colaborar com um grupo tão diverso de cientistas e organizações nesse importante estudo. As milhares de imagens que a WCS forneceu servirão como dados essenciais para mostrar os pontos onde a fauna surge e a impressionante diversidade de espécies encontradas na região da Amazônia”.

Ao todo, 147 cientistas de 122 instituições de pesquisa e organizações de preservação da natureza colaboraram no estudo da Ecology, liderado pelo Centro Alemão de Pesquisa da Biodiversidade Integrativa (iDiv) e pela Universidade Friedrich Schiller de Jena.

Esse estudo se destaca por ser a primeira vez que imagens de armadilhas fotográficas de diferentes regiões da Amazônia foram compiladas e padronizadas em grande escala.

WCS (Wildlife Conservation Society) – A WCS preserva a fauna silvestre e lugares naturais em todo o mundo através da ciência, da conservação ambiental e da educação, e inspirando as pessoas a valorizar a natureza. Para cumprir esta missão, a WCS, sediada no Bronx Zoo, utiliza o poder de seu Programa de Conservação Global em cerca de 60 países, em todos os oceanos do mundo e em seus cinco parques de fauna silvestre na cidade de Nova York, visitados por 4 milhões de pessoas ao ano. A WCS combina sua experiência em campo, em zoológicos e em aquários para cumprir essa missão de conservação.

Comentar

Comentar