Uma ordem publicada em 20 de abril pelo chefe interino de polícia do Suriname, Ruben Kensen, gerou polêmica, pois proíbe que os policiais do país façam uso da barba a partir da data.

Por meio dessa ordem de serviço, ele revogou uma ordem do dia emitida no início de 2014, que permitia o uso de barba. Na carta, o chefe do executivo da polícia indica que o uso da barba prejudica a imagem do Corpo de Polícia do Suriname.

Publicidade

A decisão deu o que falar. O ex-presidente da Associação de Polícia do Suriname (SPB), Raoul Hellings, reagiu à proibição do uso de barba por policiais.

“Você não precisa atribuir nenhum valor a essa proibição. Nem as ameaças”, disse Hellings em um post, onde também marcou o atual presidente do SPB. Segundo Hellings, nenhuma regulamentação de serviços tem precedência sobre os direitos fundamentais.

Comentar

Comentar