Foto: Petrobras

A Esso Exploration & Production Guiana e Suriname (EEPGL) precisará realizar uma avaliação de impacto ambiental (AIA) para as campanhas de perfuração nos blocos offshore Canje e Kaieteur.

A decisão veio do Conselho de Avaliação Ambiental (EAB), uma entidade nomeada pelo Ministério dos Recursos Naturais que analisa recursos contra dispensas da exigência de uma AIA pela Agência de Proteção Ambiental (EPA).

Publicidade

O Conselho registrou um recurso formal contra a decisão da EPA de não exigir estudos ambientais para campanhas de exploração e avaliação de 12 poços em cada área.

“Considerando a natureza contígua dos blocos Stabroek, Canje e Kaieteur, o EAB concorda com a EPA que existem dados suficientes para concluir que qualquer impacto negativo dos projetos individuais propostos seria principalmente local e de curto prazo. O EAB, portanto, mantém a decisão da EPA de que não é necessário apresentar uma AIA para o projeto”, disse o conselho em uma carta à EPA.

“No entanto, coletivamente, o impacto desses projetos precisa ser mais bem examinado. Considerando a crescente atividade de perfuração no bloco Stabroek e sua proximidade com os blocos Canje e Kaieteur, juntamente com o número de poços que serão perfurados, o EAB decidiu que o operador deverá realizar uma avaliação de impacto ambiental.”

A BNamericas, que não conseguiu entrar em contato com a EEPGL, informou em fevereiro e março que a subsidiária da ExxonMobil havia enviado resumos atualizados para Canje e Kaieteur, respectivamente.

Comentar

Comentar