De acordo com o pai, a criança foi surrada com um carregador de celular porque não estava conseguindo fazer a lição da escola.

O caso foi parar na polícia porque a brasileira acusada de maltratar o menor, estava sendo paga para cuidar da criança enquanto os pais trabalhavam no garimpo.

Publicidade

A reportagem do jornal LPM NEWS esteve na manhã desta segunda-feira (16) na casa da família em Paramaribo-Norte, onde a vítima, Lucas Rian, de 6 anos de idade, estava com o pai que contou para nossa reportagem como tudo aconteceu. P. J. Amaral, pai de Lucas, disse que o fato aconteceu na última sexta-feira, 13 de julho, quando ele pediu que a cuidadora enviasse seu filho para passar o final de semana com ele.

Segundo relatou o pai de Lucas, que trabalha no garimpo e estava na cidade na última sexta-feira, ele ligou para a acusada, pedindo que ela mandasse o garoto para a casa dele assim que a criança chegasse da escola. Por volta de 2 horas da tarde, quando percebeu que a criança demorava a chegar, ligou novamente perguntando porque seu filho ainda não havia chegado e recebeu como resposta, que o menino estava fazendo uma lição da escola e que só seria liberado quando terminasse a lição. O pai então, acreditando que seu filho estava realmente recebendo atenção e  cuidado por parte da mulher que foi contratada para cuidar do menino continuou esperando até que por volta das 17h30, já estranhando a demora do filho, resolveu ligar para dizer que iria buscar pessoalmente a criança na casa da acusada. Foi então, que próximo das 19:00h, a criança chegou lesionada na casa do pai.

O pai de Lucas informou para nossa reportagem que seu filho apresentava várias lesões do tipo manchas avermelhadas nas nádegas, pernas e braços. Imediatamente o pai revoltado com o que estava vendo, ligou novamente para a cuidadora exigindo explicações para o que havia acontecido com seu filho. Conforme foi mostrado pelo pai de Lucas, a acusada explicou por meio de mensagens pelo WhatsApp, que a criança havia se encostado em uma planta e isto provocou uma alergia no corpo do menor e depois disto não atendeu mais as ligações e ainda bloqueou o pai de Lucas no Facebook. Ajudado por amigos, o pai efetuou uma ocorrência na polícia onde o garoto passou por exame de corpo e delito e também conversou com psicólogos. O resultado destes exames e o laudo da polícia vai esclarecer se a criança sofreu abuso e maus tratos.

Fotos do corpo lesionado da criança e relatos contraditórios estão circulando nas redes sociais sobre o caso, mas o jornal LPM NEWS comprometido com a verdade dos fatos, foi em busca das informações deste caso que está abalando a comunidade brasileira em Paramaribo. Estamos acompanhando o caso e voltaremos a qualquer momento com mais informações, de acordo com o desenrolar das investigações da polícia.

Veja as imagens que foram registradas pela nossa equipe com a permissão do pai de Lucas.

Deixe seu comentário abaixo.

Comentar

Comentar