Romenia Brito tinha 28 anos e era natural do Tocantins — Foto: Arquivo Pessoal

Uma brasileira do Tocantins (TO), identificada como Romênia Brito, de 28 anos, teria sido assassinada a facadas às margens do Rio Lawa, na divisa da Guiana Francesa com o Suriname. O crime aconteceu na manhã da última segunda-feira, dia 23, e o principal suspeito é o marido dela, que já teria sido preso pela polícia surinamesa.

A reportagem do LPM News tenta confirmar a informação da prisão, repassada pela família de Romênia, junto às autoridades do Suriname e da Guiana Francesa, mas ainda não obteve resposta de ninguém. Ainda de acordo com testemunhas, o crime teria sido presenciado pelo filho mais velho da vítima, uma criança de 10 anos.

Publicidade

“Aqui na cidade está tendo um festejo e nós tiramos uma foto com o padre que batizou a gente quando éramos criança. Eu mandei a foto por volta das 6h40 e vi que ela ficou online horas antes, 4h26, e até estranhei porque costumava acordar mais tarde. Pouco depois, uma mulher me ligou do número dela [da irmã] e disse do crime”, disse Holanda Brito, irmã de Romênia.

Filhos e traslado

A família de Romênia Brito reside em Buriti, município com cerca de 10 mil habitantes, na região do Bico do Papagaio, distante 180 quilômetros de Marabá e 660 de Palmas, capital do estado do Tocantins. Eles acionaram as autoridades brasileiras para tentar repatriar o corpo da vítima e os dois filhos, o de 10 anos e outro de cinco, que estariam com uma vizinha na Guiana.

Crime aconteceu cerca de 1300 quilômetros de distância da família de Romênia. Arte: LPM News

“O menino mais velho viu tudo, mas os dois estão traumatizados e sozinhos. Estamos nos sentindo impotentes porque as crianças estão chorando e a gente não pode nem dar um abraço”, lamentou Holanda. Romênia ainda tem outro filho, de 13 anos, que mora com a avó, no Tocantins, segundo informou a irmã à equipe de reportagem.

“Ele faz aniversário no próximo dia 24 de dezembro. Ela estava planejando vir para fazer o aniversário dele”, lamentou. Romênia deixou o Brasil aos 16 anos para morar na Guiana Francesa. O LPM News tenta contato com o Ministério das Relações Exteriores e aguarda uma resposta acerca do caso. Célio Moura, deputado do Tocantins, também tenta fazer a remoção do corpo.

Comentar

Comentar