Vladimir Putin toma posse para o quarto mandato presidencial

Vladimir Putin toma posse para o quarto mandato presidencial

No poder desde 2000, Putin foi reeleito em março para permanecer no poder na Rússia até 2024.

Vladimir Putin tomou posse nesta segunda-feira (7) para o quarto mandato presidencial, com o qual permanecerá no poder na Rússia até 2024, em uma cerimônia solene no Grande Palácio do Kremlin em Moscou.

Putin foi reeleito nas eleições de 18 de março, com ampla vantagem em relação aos seus adversários. Ele registrou mais de 76% dos votos e teve mais de 56 milhões de votos, número que supera seu recorde de 2004.

Com a mão direita sobre a Constituição, Putin jurou “respeitar e defender os direitos e as liberdades das pessoas e dos cidadãos; cumprir e defender a Constituição da Federação da Rússia; defender a soberania e a independência, a segurança e as integridade territoriais do Estado, e servir ao povo com lealdade”.

Em um discurso feito após a cerimônia de posse, Putin disse que nos próximos seis anos a Rússia se mostrará um ator forte na arena global, apoiada por Forças Armadas poderosas, ao mesmo tempo em que se empenhará muito para melhorar a vida de seus cidadãos.

“Considero meu dever e o sentido da minha vida fazer todo o possível pela Rússia, por seu presente e por seu futuro”, declarou, após prestar juramento com a mão sobre a Constituição.

De acordo com a agência Efe, participaram da cerimônia mais de 6.000 convidados, entre eles ministros do Governo que está saindo, deputados e senadores, membros do corpo diplomático, autoridades civis, eclesiásticas e militares, e outras personalidades.

Depois da posse, Putin nomeou seu fiel aliado Dmitry Medvedev para permanecer como primeiro-ministro, sinalizando continuidade. Medvedev, presidente da Rússia de 2008 a 2012, ocupou o posto de primeiro-ministro de 2012 a 2018.

Putin mantém sua popularidade apoiado no trauma da crise após o fim da União Soviética e por manter a economia nos eixos desde 1999, de acordo com especialistas ouvidos pelo G1. Com sua permanência no poder, pouca coisa deve mudar nos próximos tempos. A política externa, as relações com a Síria e a rivalidade com os Estados Unidos devem se manter na mesma direção.

No poder desde 2000

O presidente russo chegou ao poder em 2000, uma década após o fim da União Soviética (URSS). Sucedeu a Boris Yeltsin, de quem herdou um país instável, com economia hesitante e que havia perdido o papel grande potência mundial.

Muitos russos consideram que, graças a Putin, o país recuperou sua grandeza, resultado em parte da arrecadação com combustíveis. Mas os críticos acusam-no de provocar um retrocesso nos direitos humanos e nas liberdades.

No cenário internacional, teve de lidar com três presidentes dos Estados Unidos e provocou um novo embate entre Moscou e Ocidente, ao tomar a Crimeia da Ucrânia e, depois, iniciar uma intervenção crucial na Síria para apoiar o regime de Bashar al-Assad.

Fonte: G1

Comentar

Comentar