Tragédia na África: Mais de 1.000 pessoas morrem vítimas de deslizamento de terra

Tragédia na África: Mais de 1.000 pessoas morrem vítimas de deslizamento de terra

Mais de 1.000 pessoas morreram vítimas de um deslizamento de terra e inundação que atingiu a capital da Serra Leoa há quase duas semanas, disse um líder local e um ministro neste domingo (27) durante os serviços em homenagem às vítimas do desastre.

O governo já colocou o número de mortos para o deslizamento de 14 de agosto em 450 mortos, enquanto os socorristas e grupos de ajuda alertaram que muitas das mais de 600 pessoas desaparecidas provavelmente não sobreviveriam.

“Mais de 1.000 pereceram no desastre de lama e inundação, e não saberemos o número exato agora”, disse Elenoroh Jokomie Metzger, chefe das mulheres de Regent. Regent é uma área nos arredores da capital da Serra Leoa, Freetown, onde aconteceu a tragédia.

Centenas de enterros ocorreram, enquanto os esforços de resgate e recuperação continuaram com a chuva, que poderia trazer nova tragédia devido a condições de habitação inseguras.

O reverendo Bishop Emeritus Arnold Temple, que fez o sermão de domingo em uma igreja metodista perto de Regent, disse que uma contagem precisa era importante para a prestação de contas.

“Podemos estar de luto por mais de 1.000 compatriotas. Mas por que cerca de 1.000 vidas podem acabar tragicamente assim?”, afirmou Temple. “Quem devemos realmente culpar? Temos que chegar a esse ponto de saber os culpados para que as medidas corretivas possam ser postas em prática, para que nunca mais devamos permitir que isso aconteça”.

A primeira-dama Sia Koroma, esposa do presidente Ernest Bai Koroma, também falou durante as cerimônias. “Estou aqui com um coração pesado. Passamos por muitas calamidades em nosso país “, disse ela. “Todos devemos fazer auto-crítica e aprender a ser obedientes às leis feitas pelo homem, especialmente quando o governo planeja agir para o desenvolvimento do país”.

Milhares de pessoas que vivem em áreas em risco durante fortes chuvas foram evacuadas. Grupos de ajuda estão fornecendo suprimentos e ajudando a fornecer água limpa para evitar uma crise de saúde.

Alguns críticos acusam o governo da Serra Leoa de não aprender sobre desastres naturais em Freetown, onde muitas áreas pobres estão perto do nível do mar e não têm boa drenagem. A capital também está atormentada por construções não permitidas em suas encostas.

Fonte: Dol

Comentar

Comentar