Rebelião na Penitenciária Estadual de Maringá entra no segundo dia

Rebelião na Penitenciária Estadual de Maringá entra no segundo dia

Motim começou por volta das 9h30 de quinta-feira (4). Segundo a PM, agente carcerário e dois presos são mantidos reféns. Equipe retomou negociação na manhã desta quinta-feira (5).

A rebelião na Penitenciária Estadual de Maringá (PEM), no norte do Paraná, entrou no segundo dia, e seguia sem acordo até o fim da manhã desta quinta-feira (5). Segundo a Polícia Militar (PM), um agente penitenciário e dois presos são mantidos reféns desde as 9h30 de quinta-feira (4), quando começou o motim.

Uma equipe de Curitiba, especializada em negociação, chegou à unidade por volta das 15h de quarta. De acordo com o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen), a negociação com os rebelados foi suspensa por volta das 20h e retomada por volta das 8h desta quinta.

Os policiais que participam da ação informaram que os três reféns estão bem.

Segundo a PM, os presos rebelados estão na galeria 7, que foi isolada ainda na quarta por policiais militares e agentes da Seção de Operações Especiais (SOE). A galeria onde ocorre a rebelião abriga 90 presos.

Por volta das 12h30 de quarta, uma viatura do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) chegou ao local com um médico para atender o agente penitenciário feito refém. Conforme as equipes da polícia, houve incêndio na unidade e o agente tinha desmaiado após inalar fumaça.

Não foram divulgadas informações sobre as reivindicações dos presos.

A penitenciária, inaugurada em 1996, foi projetada para abrigar 360 presos. Em 2015, a unidade foi ampliada para abrigar 430 pessoas. Nesta quinta, a PEM tinha 455 detentos, segundo o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen).

Fonte: G1

Comentar

Comentar