Polícia investiga chacina que deixou oito mortos e outros três feridos no Tapanã, em Belém

Polícia investiga chacina que deixou oito mortos e outros três feridos no Tapanã, em Belém

Assassinatos foram registrados na segunda-feira (29). PM realiza o policiamento na área em busca dos suspeitos.

A Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) investiga uma chacina que deixou oito pessoas mortas e outras três feridas na segunda-feira (29) no bairro Tapanã, em Belém. De acordo com a Segup, 11 pessoas foram baleadas no total, sendo que cinco vítimas morreram nos locais dos crimes e outras três morreram em hospitais. A Polícia Militar realiza o policiamento na área em busca dos suspeitos.

Os crimes ocorreram no final da tarde. Testemunhas contaram à polícia que quatro criminosos chegaram em duas motos, efetuaram vários disparos e fugiram. Os crimes têm características de execução. Peritos do Intituto Médico Legal (IML) informaram que uma das vítimas levou seis tiros.

Cinco vítimas tinham entre 18 e 25 anos. Os assassinatos ocorreram em locais próximos, quase ao mesmo tempo.

Na semana passada, criminosos assassinaram um sargento da PM no mesmo bairro onde ocorreu a chacina. João Batista Menezes Dias foi vítima de uma emboscada quando chegava em casa. A polícia não informou se há relação entre as mortes.

Vítimas

As vítimas foram identificadas como:

  • Manoel Edilasio Moraes dos Santos, 25, morto na tv. Haroldo Veloso, esquina com a Quinta Rua;
  • Fernando Pantoja da Costa, 18, morto na rua Almirante Tamandaré, próximo à passagem Uberaba;
  • Moisés Pereira de Moraes, 22, assassinado na rua Maria de Nazaré, próximo à Estrada da Piçarreira;
  • Thiago Luiz Moraes dos Santos, 23;
  • Jacob Almeida Braga, 22, mortos na rua das Violetas, próximo à travessa das Margaridas.

Já as pessoas que chegaram a ser socorridas foram identificadas apenas como: Diego Borges, Sávio Miller Silva e David Thiago.

Os feridos no crime estão sendo atendidos em hospitais da capital. A Secretaria de Saúde de Belém informou que não tem autorização das famílias para divulgar o estado de saúde dos sobreviventes.

Qualquer informação sobre os suspeitos pode ser repassada para o telefone do Disque Denúncia através do número 181. A identidade será mantida em sigilo.

Fonte: G1

Comentar

Comentar