Governo de Pernambuco se dispõe a pagar traslado e funeral de brasileira morta na Nicarágua (Atualização)

Governo de Pernambuco se dispõe a pagar traslado e funeral de brasileira morta na Nicarágua (Atualização)

Ao menos o traslado do corpo até o Brasil e o enterro estão entre os gastos a serem pagos. Rayneia Gabrielle Lima, de 30 anos, estava no último ano da residência.

Secretaria de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco (SJDH) informou, nesta quarta (25), que vai arcar com os custos do traslado e do funeral de Raynéia Lima, brasileira morta na Nicarágua na segunda (23). O governo brasileiro cobra explicações sobre a morte da pernambucana a esse país da América Central que vem enfretando uma crise sociopolítica, com manifestações contra o presidente Daniel Ortega, no poder desde 2007.

Segundo o titular da secretaria, Pedro Eurico, o órgão também se disponibilizou para prestar apoio psicológico e jurídico à mãe da vítima.

“O estado não tem rubrica orçamentária para esse tipo de questão, mas recebemos essa determinação e estamos providenciando as questões do funeral e avaliando qual companhia aérea pode fazer o traslado do corpo”, afirma Pedro Eurico.

O secretário também afirmou estar em contato com o Ministério das Relações Exteriores para agilizar o procedimento. “Essa é uma relação de estado nacional com estado nacional, mas estamos tentando fazer com que esse processo aconteça o mais rápido possível”, diz.

Uma psicóloga e um advogado seguiram para Garanhuns, no Agreste, para assistir a aposentada Maria Costa, mãe de Rayneia.

A ex-cunhada de Rayneia, Juliana Rocha, confirmou que o estado já entrou em contato com a família, mas preferiu não se manifestar sobre a decisão. A previsão é de que o enterro da pernambucana natural de Vitória de Santo Antão seja feito em Paulista, no Grande Recife.

Entenda o caso

Raynéia foi atingida por tiros no sul da capital da Nicarágua, onde cursava medicina. Segundo Ernesto Medina, reitor da Universidade Americana em Manágua (UAM), a brasileira morreu após ser atingida por tiros disparados por “um grupo de paramilitares”. A morte foi confirmada pelo Itamaraty na terça-feira (24).

Sonhando com um futuro na medicina, a brasileira seguiu para a Nicarágua para estudar, segundo a mãe. Durante o contato que fazia com a família, a aposentada Maria Costa afirmou que a filha chegou a comentar sobre a insegurança que sentia no país.

O secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Marcos Galvão, classificou a morte como uma “situação trágica “

Crise na Nicarágua

A Nicarágua está imersa na crise mais sangrenta da história do país em tempos de paz e a mais forte desde a década de 80, quando Ortega também foi presidente (1985-1990).

Horas antes da morte da brasileira, o reitor da Universidade Americana em Manágua (UAM), instituição em que Raynéia estudava, participou de um fórum onde afirmou que o crescimento econômico e a segurança na Nicarágua antes da explosão dos protestos contra Ortega em abril “era parte de uma farsa”, porque “nunca houve um plano que acabasse com a pobreza e a injustiça”.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnudh) responsabilizaram o governo da Nicarágua por “assassinatos, execuções extrajudiciais, maus-tratos, possíveis atos de tortura e prisões arbitrárias”.

Os protestos contra Ortega e sua esposa, a vice-presidente Rosario Murillo, começaram no dia 18 de abril devido um decreto que regulamentava a reforma da Previdência Social. O governo desistiu da reforma, mas os manifestantes continuaram protestando contra a violência da repressão.

Fonte: G1

Comentar

Comentar