Executivo da DIS afirma que Neymar pode ser preso

Executivo da DIS afirma que Neymar pode ser preso

Em entrevista para a rádio Bandeirantes, Roberto Moreira afirmou que Neymar poderá ser preso. A empresa DIS, no qual Roberto é executivo abriu dois processos contra Neymar, um no Brasil e outro na Espanha. O jogador é acusado de estelionato e corrupção.

Em entrevista ao programa Domingo Esportivo da rádio Bandeirantes, Roberto Moreno disse que a DIS não está pedindo especificamente a cadeia, mas uma condenação juntamente com a federação das associações de atletas profissionais e o Ministério Público da Espanha.

O executivo também afirmou que existe uma magoa dos dirigentes com Neymar. O atleta diz desconhecer a empresa e o sócio fundador Delcir Sondas. O empresário veio a público na última quarta-feira, em entrevista coletiva para dizer que se sente traído por Neymar.

O atacante é processado por corrupção privada, pelo grupo DIS. O grupo que possuía 40% dos direitos econômicos do atleta, alega ocultação dos valores da venda do atacante para o Barcelona no ano de 2013, de modo que, o grupo tenha recebido um valor menor ao que teria direito.

O atleta também é acusado na Espanha. O Ministério Público espanhol, abriu processo de estelionato contra Neymar. De acordo com a Justiça espanhola, a negociação que na época foi fechada por 17,1 milhão de euros, é estimada em um valor maior do que o divulgado.

Outra revelação do empresário, é que fotos de Neymar, na sede da empresa foram anexadas no processo, mostrando a relação intima entre o atacante e os executivos da empresa. Roberto Moreno ainda lembra que Neymar jogou o Mundial de Clubes vendido ao Barcelona.

Ambos os processo serão julgados em conjunto pela Justiça da Espanha. No início deste mês, o atacante do Barcelona foi julgado em processo fiscal em Carf, em Brasília. De acordo com a Promotoria os 10 milhões de euros que foram pagos em 2011, caracterizavam um adiantamento pela venda do atleta para o Barcelona. Assim, o recurso foi negado.

Fonte: Band

Comentar

Comentar