Estudo usa amostra de sangue para detectar autismo em crianças

Estudo usa amostra de sangue para detectar autismo em crianças

Pesquisadores nos EUA querem desenvolver exame de sangue a partir da técnica. Cientista brasileiro acredita que mais testes precisam ser feitos.

Um estudo confimou o sucesso em detectar com precisão se uma criança tem transtorno do espectro autista (TEA) usando uma amostra de sangue.

Realizado pelo Instituto Politécnico Rensselaer, em Nova York, o estudo foi publicado na edição de junho da revista científica “Bioengineering & Translational Medicine”. O estudo foi feito um ano depois de os pesquisadores publicarem seu trabalho em um estudo similar anterior.

Juergen Hahn, principal autor do estudo, professor e chefe do Departamento de Engenharia Biomédica do Instituto Politécnico de Rensselaer disse que o sucesso desta nova tentativa é um passo muito importante e necessário para o desenvolvimento de um exame de sangue que possa apoiar o diagnóstico do transtorno de espectro autista.

“Claramente, mais trabalho precisa ser feito antes que um teste comercial esteja disponível, mas esse trabalho é um marco importante”, disse.

Atualmente, o diagnóstico de crianças com autismo não é uma tarefa simples, já que depende apenas de observações clínicas.

É geralmente reconhecido por médicos e pesquisadores que o diagnóstico precoce leva a melhores resultados à medida que as crianças se envolvem em atividades de desenvolvimento precocemente, e um diagnóstico é possível aos 18-24 meses de idade. No entanto, sem exames que possam apontar com precisão o diagnóstico, a maioria das crianças não é diagnosticada até os 4 anos de idade nos EUA.

“Quanto mais cedo o transtorno do espectro autista for diagnosticado, mais cedo é possível iniciar intervenções precoces, tais como serviços de educação especial, terapia ocupacional, terapia da fala, etc. É geralmente reconhecido que a intervenção precoce nestes casos leva a melhores resultados a longo prazo”, explica Hahn.

O estudo

O primeiro estudo desenvolveu um algoritmo que faz uso de concentrações de componentes no sangue para prever se ele veio de uma criança com transtorno do espectro austista (TEA) ou de uma criança em desenvolvimento típico.

Comentar

Comentar