Dólar fecha em queda e volta ao patamar de R$ 3,85, com alívio das tensões comerciais no exterior

Dólar fecha em queda e volta ao patamar de R$ 3,85, com alívio das tensões comerciais no exterior

Moeda norte-americana recuou 1,76%, vendida a R$ 3,8521.

O dólar caiu nesta quarta-feira (12), acompanhando a trajetória da moeda no mercado internacional em dia de trégua nas preocupações com a guerra comercial após declarações de Donald Trump sobre um acordo com a China.

A moeda norte-americana caiu 1,76%, vendida a R$ 3,8521. Veja mais cotações. Na mínima do dia, o dólar chegou a R$ 3,8377.

Já o dólar turismo (sem cobrança de IOF) foi vendido perto R$ 4,02.

Em entrevista à Reuters, Trump afirmou que estão ocorrendo negociações com Pequim por telefone e que ele não elevará as tarifas sobre importações chinesas até que esteja certo sobre um acordo.

Trump também afirmou que vai intervir no caso do Departamento de Justiça contra a executiva da chinesa Huawei Technologies se for do interesse da segurança nacional ou ajudar a fechar um acordo comercial.

Um tribunal canadense concedeu na terça-feira fiança à vice-presidente financeira da Huawei enquanto ela aguarda audiência de extradição para os EUA.

“Certo otimismo paira no ar após a notícia de que a vice-presidente financeira da Huawei teve pedido de liberdade condicional aceito por um juiz do Canadá”, escreveu a Advanced Corretora, acrescentando que agradou a declaração de Trump de que poderá intervir no caso, segundo a Reuters.

À tarde, a possibilidade de um acordo entre União Europeia e Itália em relação ao Orçamento do país também reforçou a lista de boas notícias, bem como a possibilidade da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, conseguir se manter no cargo após a votação do voto de censura à sua liderança.

A Itália concordou em reduzir sua meta de déficit orçamentário a 2,04% do PIB, de 2,40% inicialmente e, depois disso, acredita em aprovação do Orçamento pela UE.

Cenário local

Internamente, agradou ao mercado a informação dada na véspera pelo deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN), futuro secretário da Previdência no governo Jair Bolsonaro, de que buscará a aprovação de uma reforma previdenciária nos seis primeiros meses do novo governo.

O BC vendeu nesta sessão 13,83 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 5,532 bilhões do total de US$ 10,373 bilhões que vence em janeiro. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final da semana que vem, terá feito a rolagem integral.

No dia anterior, a moeda norte-americana avançou 0,64%, vendida a R$ 3,920. Foi o quinto avanço seguido do dólar e o maior patamar desde 2 de outubro (R$ 3,9333).

Fonte: G1

Comentar

Comentar