Dois caminhões com ajuda humanitária deixam Boa Vista em direção à Venezuela; fronteira segue fechada

Dois caminhões com ajuda humanitária deixam Boa Vista em direção à Venezuela; fronteira segue fechada

Dois veículos abastecidos com doações partiram da capital de Roraima ainda na madrugada. Em dias de funcionamento normal, fronteira deveria ter sido aberta às 8h no horário de Brasília. Passagem para a Colômbia também segue fechada.

Dois caminhões com ajuda humanitária brasileira partiram de Boa Vista (RR) em direção à Venezuela na madrugada deste sábado (23), mas a fronteira com o país segue fechada após ordem de Nicolás Maduro. A oposição marcou para este sábado o dia ‘D’ para recebimento de doações de outros países, mas esse apoio é rejeitado pelo presidente venezuelano.

Os caminhões deixaram a capital de Roraima às 6h50 e, pelas regras estabelecidas pelo governo brasileiro, a ajuda deve ser transportada por caminhões venezuelanos conduzidos por motoristas venezuelanos.

Normalmente, a passagem é fechada à noite e reabre por volta das 8h do dia seguinte, mas isso não aconteceu neste sábado. Assim como na sexta, o lado venezuelano segue fechado e militares do país reforçavam o policiamento nas primeiras horas da manhã.

Maduro determinou o fechamento para tentar barrar a ajuda humanitária oferecida pelos EUA e por países vizinhos, incluindo o Brasil, após pedido do autoproclamado presidente interino Juan Guaidó. O líder chavista vê a oferta dessa ajuda como uma interferência externa na política da Venezuela.

No anúncio, feito de Caracas, o líder chavista afirmou que a passagem entre os países ficaria “fechada total e absolutamente até novo aviso”.

O fechamento ocorre onde seria um dos pontos de coleta dos carregamentos de comida, remédio e itens de higiene básica enviados à população venezuelana. O porta-voz do presidente Jair Bolsonaro (PSL), Otávio Rêgo Barros, disse que a ajuda humanitária está mantida.

Confronto em Kumarakapay

Uma pessoa morreu e outras ficaram feridas em Kumarakapay, na Venezuela, em um confronto entre indígenas e militares venezuelanos na última sexta-feira (22). A informação foi dada por líderes indígenas e parentes de vítimas.

Fonte: G1

Comentar

Comentar