Brasil tem 14 mortes por sarampo e mais de 2,5 mil casos confirmados

Brasil tem 14 mortes por sarampo e mais de 2,5 mil casos confirmados

Corpo de Daniel Corrêa de Freitas foi encontrado no sábado (27), na Região Metropolitana de Curitiba. Suspeito disse que perdeu o controle ao agredir o atleta.

Edson Brittes Júnior diz que perdeu o controle ao agredir jogador Daniel

O suspeito de matar o ex-jogador do Coritiba Daniel foi preso na manhã desta quinta-feira (1º) em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. A prisão ocorreu na casa onde o empresário de 38 anos mora.

“Trata-se de um pai de família que se viu na contingência de ter que reagir a um estupro que estava ocorrendo conta a mulher dele. A mulher gritou por socorro. Ele arrombou a porta, e esse indivíduo estava em cima da mulher dele tentando estuprar essa mulher”, afirmou o advogado Cláudio Delladone, que defende o suspeito Edson Brittes Júnior e a esposa.

De acordo com o advogado, a prisão é temporária. A filha de 18 anos do suspeito também foi presa nesta manhã, no mesmo local, segundo o advogado. Eles saíram da residência e seguiram para a delegacia por volta das 8h15.

Conforme Dalledone, a esposa do suspeito se apresentou à polícia, na quarta (31). A mulher de 35 anos é mãe da jovem presa. Contudo, a RPCapurou que, na verdade, ela foi presa. A Polícia Civil confirmou.

Elas foram detidas para “averiguação”, ainda de acordo com o advogado, que também disse que as prisões das duas são temporárias.

O advogado contou que os fatos aconteceram na comemoração do aniversário da jovem de 18 anos. O casal tem mais uma filha, uma menina de 11 anos.

“Um homem que não demonstra nenhuma periculosidade, mas que agiu impelido por um motivo de relevante valor moral, social e sob domínio de violenta emoção”, falou Dalledone sobre o empresário.

O que diz o suspeito

Em entrevista à RPC, o empresário Edson Brittes Júnior disse que perdeu o controle quando agrediu Daniel. “Eu fiquei aterrorizado quando vi ele com a minha mulher”, disse o empresário.

“Eu bati muito nele. Muito, muito. Tirei ele para fora da casa, não sei se estava acordado, desacordado, se só tinha fechado o olho” afirmou Edson.

Depois da agressão, segundo ele, o empresário colocou Daniel no porta-malas do carro e o tirou da casa, junto de três amigos.

Ele conta que os amigos tentaram o impedir de cometer o crime, “mas não iam conseguir” em função do descontrole emocional que tomou conta do empresário. Edson Brittes Júnior disse que usou uma faca para matar o jogador.

“Eu não pensava em nada. Eu tinha uma faca no carro, uma faca pequena, que eu usava no carro, que fica junto com as ferramentas no porta malas. Eu não sabia que eu ia fazer aquilo, eu estava desesperado, fora de mim. Olhei no porta-malas e vi o que tinha”, relatou o suspeito.

O corpo de Daniel Corrêa de Freitas foi encontrado no sábado (27), em uma mata perto de uma estrada rural na Colônia Mergulhão, em São José dos Pinhais.

Até o momento, a Polícia Civil não deu informações sobre a motivação do crime. As prisões temporárias valem por 30 dias.

Testemunha

Na quarta-feira, uma testemunha considerada chave foi ouvida pela Polícia Civil durante três horas. A testemunha esteve com Daniel momentos antes da morte.

  • Testemunha diz à polícia que jogador Daniel foi espancado antes de morrer

Segundo o advogado da testemunha, Jacob Filho, Daniel foi espancado dentro da casa do principal suspeito do crime e que havia muito sangue no local. O motivo seria passional, em razão de um relacionamento do jogador com a esposa do suspeito.

A testemunha contou que Daniel e mais seis pessoas, incluindo ele, estavam em uma boate em Curitiba, quando decidiram ir para a casa do suspeito do crime.

Em meio à festa na casa, a esposa do suspeito teria gritado por “socorro”. Em seguida, Daniel é visto dentro do quarto sendo espancado por quatro pessoas.

Conforme a testemunha, o autor do crime procurou as pessoas que estavam na casa para montar um álibi mudando as versões dos fatos.

Com medo, a testemunha resolveu se apresentar na delegacia com um advogado para dar informações.

Investigação

A Polícia Civil também analisou as imagens do circuito de câmeras de segurança do bar onde Daniel esteve na sexta-feira (26).

A assessoria de imprensa do estabelecimento confirma que o jogador esteve no bar naquela noite, mas que não houve nenhuma confusão envolvendo o Daniel na boate.

Segundo a apuração preliminar do Instituto Médico-Legal (IML), um ferimento por arma branca foi apontado como a causa da morte. Além disso, de acordo com a Polícia Civil, o órgão genital do jogador foi cortado.

A Polícia Civil informou que um inquérito policial foi instaurado na Delegacia de São José dos Pinhais para apurar os fatos.

Daniel

O meia Daniel estava emprestado pelo São Paulo ao São Bento, time que disputa a Série B do Campeonato Brasileiro. Em 2017, jogou no Coritiba.

Daniel nasceu em Juiz de Fora (MG) e tinha 24 anos. Revelado pelo Cruzeiro, o meia também passou pelo Botafogo e Ponte Preta.

O atleta foi velado e enterrado em Conselheiro Lafaiete (MG), onde a família dele mora.

Fonte: G1

Comentar

Comentar