Bombeiros dizem que operação pode terminar sem resgate de todos os corpos em Brumadinho

Bombeiros dizem que operação pode terminar sem resgate de todos os corpos em Brumadinho

‘A gente estima, infelizmente, que alguns não serão recuperados’, diz porta-voz dos bombeiros. Operação poderia acabar sem que todos os corpos dos 199 desaparecidos sejam localizados.

O tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais na operação em Brumadinho, afirmou nesta segunda-feira que a ação de resgate pode ser encerrada sem que todos os corpos dos 199 desaparecidos sejam localizados.

Devido à chuva forte que caiu na cidade nesta madrugada, as buscas na lama foram suspensas e 400 bombeiros atuam nas buscas nas margens do rio Paraopeba.

Questionado se existe a possibilidade de não serem retirados todos os corpos da lama, o tenente admitiu que o Corpo de Bombeiros trabalha com essa possibilidade.

“É uma possibilidade já deslumbrada em situações deste tipo, em que se tem estrutura colapsada e lama já é esperado que alguns corpos não sejam encontrados”.

“A gente trabalha o mais rápido possível para encontrar o maior número [de corpos]. Só que, evidentemente, pela característica da tragédia e a situação biológica de decomposição, alguns corpos a gente estima que eles infelizmente não serão possíveis de serem recuperados, mas trabalhamos para que seja o menor número possível”, disse o tenente.

Números da tragédia

  • 134 mortos confirmados – 120 identificados
  • 192 resgatados
  • 395 localizados

Aihara explicou que era esperada a redução no número de corpos localizados a cada dia em que as buscas se prolongam. Foram encontrados 134 mortos, sendo que 120 estão identificados.

“Este movimento de redução no número de corpos encontrados [a cada dia] já era um movimento esperado, pois nos primeiros dias após o rompimento da barragem os corpos estavam visíveis em níveis superiores da lama. Esta operação é mais fácil no início, tanto para localizar quanto para retirar com mais facilidade.”

“Agora, os corpos que são localizados, além de ser mais difícil a localização, é mais difícil também de serem retirados. Porque precisa fazer um trabalho de escoramento da lama para não prejudicar o serviço de identificação que é feito pela Polícia Civil”, disse o porta-voz.

“A quantidade de corpos por dia vai diminuir mesmo, já era um movimento esperado”, disse Aihara.

Fonte: G1

Comentar

Comentar