Bolsonaro chega a Brasília para iniciar transição de governo e se reunir com autoridades

Bolsonaro chega a Brasília para iniciar transição de governo e se reunir com autoridades

Esta é a 1ª viagem do presidente eleito à capital desde a vitória nas urnas. Expectativa é que ele participe de sessão sobre 30 anos da Constituição; na quarta, deve encontrar Temer e Toffoli.

O presidente eleito Jair Bolsonaro(PSL) desembarcou na Base Aérea de Brasília pouco antes das 9h desta terça-feira (6). Esta é a primeira viagem de Bolsonaro à capital desde a vitória nas urnas.

Uma comitiva de 12 pessoas viajaram com o presidente eleito entre assessores e o vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão. Bolsonaro chegou à cidade em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB).

Bolsonaro deixou o condomínio onde mora, na Barra da Tijuca, às 5h27, e chegou à base aérea do Galeão às 6h. No trajeto, um dos batedores que formava o comboio se acidentou.

No último dia 28 de outubro, Bolsonaro foi eleito ao receber 57,7 milhões de votos (55,13%) e derrotar Fernando Haddad (PT). A posse dele como presidente da República está marcada para 1º de janeiro, e o mandato vai até 31 de dezembro de 2022.

A viagem de Bolsonaro a Brasília marca o início formal da transição de governo, segundo o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Pela agenda prevista, Bolsonaro se encontrará nesta quarta (7) com o presidente Michel Temer e com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli.

O gabinete de transição já começou a funcionar. Dos 50 nomes que poderão compor o grupo, 27 já foram apresentados oficialmente. O gabinete funcionará no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) e será coordenado por Onyx Lorenzoni.

“O evento vai requerer um esquema especial de segurança e a circulação estará restrita nesse dia”, afirmou o Senado em comunicado à imprensa.

Procurada pelo G1, a assessoria do Senado não informou quais razões motivaram a imposição de restrições a jornalistas. Segundo a TV Globo apurou, a orientação partiu da Polícia Legislativa do Senado.

Fonte: G1

Comentar

Comentar